Descendo o Rio – Capítulo I

3 09 2009

(Esse post é uma ficção, e a ficção começa depois do negrito, se quiser pode pular para parte)
Estava voltando de uma importante reunião , quando decidi tomar um decisão para as quintas feiras do blog.
Eu desde quando li Machado de Assis pela primeira vez, tive essa intenção, criar um romance em que cada capítulo seria postado semanalmente.
Aí você me pergunta: “Mas Heitor, isso não é uma novela?”
E eu respondo: “Sim, uma novela.”

Na verdade não é bem uma novela pois é semanlamente, é um seriado, prefiro chamar assim, novela tem muita gente que não gosta. Mas minha inspiração maior foi, como eu disse, Machado de Assis, um dos, senão o maior, escritores do Brasil, que escrevia seus romances em partes nos jornais da época. Era o ínico da ideia de novela em que a aceitação do público influenciava na história.
Pensando nessa ideia sempre tive a intenção de escrever uma historia que seria feita aos poucos conforme a aceitação de quem estivesse lendo, sei que seria melhor fazer isso quando o blgo tivesse mais leitores, mas foda-se, se estou com vontade de fazer não vou me reprimir.

Assim começa o romance Descendo o Rio (Prometo que nos próximos capítulos eu vou direto a história):

Fernanda e Igor estavam esperando o ônibus na rodoviária, provavelmente estava atrasado, Fernanda olhava a cada instante para o relógio da estação que marcava 16:54. Nisso Igor resolve dizer:
– Seu pai está demorando, ainda bem que o ônibus está atrasado, mas que besteira você esquecer as passagens em casa.
– Eu sei, eu sei, já to de saco cheio de saber, sou uma idiota mesmo, sem responsabilidade. – Diz Fernanda, como se a última coisa que quisesse ouvir fosse um bronca de seu namorado.
– Eu não disse isso… – A essa altura Igor já notava Fernanda manipulando a situação para criar algum tipo de confusão.
– Não disse mas pensou. – Fernanda sabia como sair como vítima, mesmo que tenha sido culpada.
– Seu pai está vindo. – Igor foi salvo pelo gongo, não precisava estragar sua viagem com uma discussão logo ao embarcar no ônibus.
Assim que pegaram a passagem de Fernanda o ônibus chegou, quase não deu tempo de agradecer seu pai e tiveram de correr para a plataforma de embarque.
O ônibus estava indo para Jacutinga, os namorados iriam acampar e aproveitar um feriado tranquilo. Era a intenção…

Obs:
O texto em si foi curto por que escrevi demais antes da historia, e também por que é o primeiro então não escrevi demais pra não assustar nínguem.
E sim, mesmo sem retonro eu vou continuar a escrever essa porcaria, vai que um dia isso fica bom.


Ações

Information

3 responses

3 09 2009
Flavio Barata

Achei legal a sua idéia, isso vai diferenciar seu blog dos outros com certeza. Vou acompanhar o desenrolar da estória e deixo uma dica não desanime se achar que não esta havendo o retorno que mencionou acima,
vá postando os capitulos, crie um marcador para que as pessoas possam filtrar o romance no blog.

3 09 2009
Nat

Continua sim, tá legal!🙂

(E é só chamar de folhetim, que fica mais bonito q novela.. huauhauhaha)

24 09 2009
Descendo o Rio – Capítulo III « Cidade Proibida

[…] Capítulo 1 Capítulo 2 […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: